Incorporadora e Construtora: Existem diferenças?

Obter um imóvel hoje é diferente do que era antigamente, já que existem várias formas, empresas que constroem, perfis de proprietários e locatários, entre tantas situações. Os termos incorporadora e construtora estão bastante em alta no momento, mas o que são e quais as diferenças entre quem constrói e quem incorpora?

Vamos falar primeiramente das características de cada uma. A construtora é a empresa responsável pela execução física do edifício. O que ela faz é a construção civil de forma mais crua possível: contrata mão-de-obra (operários), máquinas, equipamentos e tecnologia construtiva, além de testes de qualidade e ensaios tecnológicos para a realização material do empreendimento.

Sua maior responsabilidade é com a qualidade da obra. É a construtora que precisa garantir prazos dentro dos cronogramas, cuidar para que não hajam problemas como instabilidade, trincas, rachaduras, infiltrações, irregularidades, imperfeições, divergências em relação ao projeto, material de qualidade inferior ao contratado, dentre tantas coisas que podem dar errado, além de ser quem se assegura de que os operários utilizarão, por exemplo, os EPI – Equipamentos de Proteção Individuais. São tantas coisas que podem desencaminhar em um projeto, que esse papel é muito necessário.

Diferenças

Quem contrata a construtora é a incorporadora. A construtora não tem como atribuições principais o planejamento imobiliário, nem as vendas, nem a divulgação do empreendimento, nem seu financiamento, nem o projeto do empreendimento. Essas atribuições são da incorporadora.

A incorporadora é a empresa que empreende, que articula o negócio imobiliário. Ela identifica as oportunidades, faz estudos de viabilidade, adquire o terreno, formata o produto a ser desenvolvido. Baseada em dados do mercado e do público-alvo em geral, a incorporadora determina como será o próximo empreendimento a ser lançado, onde ele será lançado e quais suas características principais. Um prédio de alto padrão, por exemplo, exige uma localização privilegiada e uma infraestrutura diferenciada.

A incorporadora também é responsável por toda a parte legal de viabilidade do empreendimento. É ela quem verifica se a construção pode ser feita em determinado terreno, por exemplo, e que também garante toda a documentação para a segurança do futuro projeto.

Fonte: Publicidade imobiliária.

Anúncios

12 Perfis de decoração para seguir no Instagram

Use as redes sociais como forma de inspiração para deixar a sua casa incrível

Para quem está em fase de construção, reforma ou decoração, o Instagram já é um velho conhecido, já que é nessa rede que os perfis de inspiração para décor se consolidaram. Eles são cada vez mais populares e trazem muitas novidades da área para os seguidores que buscam ideias que deixem a casa sempre atual.

Mas mais do que estética, estes perfis são de grande ajuda se você quer evitar surpresas desagradáveis durante o período de renovação da casa. Muitos deles fazem “diários de reforma” e compartilham as melhores e piores experiências, tanto de fornecedores quanto de produtos, que vivem durante essa fase difícil (e ao mesmo tempo deliciosa) de ajustar a casa.

Separamos 12 perfis que podem ser muito úteis para você que está repaginando a casa ou só é mesmo mais um apaixonado por decoração como nós do ZAP em Casa.

Apartamento 33 (https://www.instagram.com/apartamento.33/)

apartamento-33_instagram

VL_0174-17-EMKT-Síndicos1

Apartamento 84 (https://www.instagram.com/apartamento84/)

apartamento-84

Apartamento 203 (https://www.instagram.com/apartamento_203/)

apartamento-203

Apt153 (https://www.instagram.com/apt153/)

apartamento-153

Apt1002 (https://www.instagram.com/apt1002/)

apartamento-102

Casa dos Fundos (https://www.instagram.com/casa_dos_fundos/)

casa-dos-fundos-instagram

Nosso Ape 44 (https://www.instagram.com/nossoape.44/)

nosso-ape-44-instagram

Decor29 (https://www.instagram.com/decor29/)

decor-29-instagram

decor29-instagram

Histórias de casa (https://www.instagram.com/historiasdecasa/)

historias-da-casa-instagram

historias-da-casa-instagram1

Apê do andar 29 (https://www.instagram.com/apedoandar29/)

apedoandar29-instagram

52.home (https://www.instagram.com/52.home/)

52home-instagram

Apto.21 (https://www.instagram.com/apto.21/)

apto21-instagram

Fonte: Revista ZAP Imóveis.

15 IDEIAS DIY: Transformar coisas velhas em bonitas floreiras

Hoje trazemos ideias incríveis para transformar coisas velhas em vasos e floreiras surpreendentes e bonitas. De certeza que você encontra, lá por casa, algo que pode ser convertido num vaso. Todos os  projetos que apresentamos são muito fáceis e baratos de fazer.

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-1

Eu aposto que você tem um monte de coisas velhas de que realmente não precisa e que pode usar como floreira. Estes vasos e floreiras feitos de coisas vintage são uma ótima ideia, por exemplo, para decorar as suas mesas de festa. E todos nós sabemos que estas decorações podem ser caras, desta forma poupa. Latas e pneus velhos, tudo serve para criar belos vasos e recipientes para flores.

Floreiras para jardim usando latas velhas

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-2

Vasos de flores DIY usando cestos e malas

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-1

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-8

Jardim com garrafas de refrigerante

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-11

Floreiras de metal

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-7

Floreiras de molas

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-5

Chávena de chá convertida numa floreira

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-13

Vasos de flores DIY usando canecas

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-14

Re-utilizando botas de chuva

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-12

Plantar num coto de árvore

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-15

Vasos de flores DIY usando Palettes

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-10

Vasos de flores DIY usando pneus velhos

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-9

Vaso de flores feitos de galhos de árvores

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-3

Plantadores em barril

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-16-e1468862170200

Floreiras DIY com ferramenta para jardim

DIY-bricolage-jardim-reciclagem-6

Fonte: decoracaointeriores.org

 

 

Como reaproveitar óleo de cozinha usado

A São Luiz sempre preocupada com o meio ambiente, além de criar o Projeto Pró (Programa de Reciclagem do Óleo) dá algumas dicas de como reaproveitar o óleo de cozinha.

Você provavelmente sabe ou já ouviu falar sobre o mal que o óleo de cozinha faz à saúde, certo? Mas você sabia que sua reutilização no preparo de alimentos pode agravar ainda mais os malefícios? Segundo a nutricionista Talita Nascimento, essa prática produz elementos tóxicos que podem causar doenças degenerativas, cardiovasculares e envelhecimento precoce.

Mas não é só na saúde que a reutilização do óleo de cozinha interfere negativamente, por causa do gás metano (um dos principais causadores do efeito estufa) que ele libera na atmosfera quando está se decompondo, seu descarte consciente é essencial e tem se tornado um tema de sustentabilidade cada vez mais frequente.

oleo-1
Hoje, muitas cidades contam com instituições que fazem a coleta de óleo para reciclá-lo depois (Foto: Shutterstock)

Hoje, muitas cidades contam com instituições que fazem a coleta de óleo para reciclá-lo depois. No entanto, esse reaproveitamento também pode ser feito na sua própria casa, gerando um combo de benefícios, como a proteção do meio ambiente, a desobstrução dos canos e ralos da casa, que não vão entupir de forma tão fácil, e uma ajuda na economia da família, se você seguir as dicas abaixo, onde Talita Nascimento ensina a transformar o ingrediente em  vela.

Vela de óleo de cozinha usado

oleo-4
É possível reaproveitar o óleo de cozinha dentro de casa (Foto: Shutterstock)

As velas podem funcionar como um objeto de decoração e ser úteis para aromatizar o ambiente.

Você vai precisar de:

● Um recipiente ou jarra
● Óleo de cozinha usado
● Arame
● Pavio
● 2 gotas do óleo essencial de sua preferência

Para esta receita, você precisará filtrar o óleo de cozinha usando um pano, para ficar com o óleo puro e sem resíduos. Faça uma base enrolando o arame no centro do recipiente, para que ele possa segurar o pavio.

Com o arame no centro e o pavio posicionado no alto dele, despeje o óleo de cozinha usado, com cuidado para não encher tudo, pois o final do pavio deve ficar sobre o óleo. A vela já está pronta. Agora é só adicionar as gotas do óleo essencial que você mais goste para obter um aroma mais agradável.

oleo-3
É preciso tomar cuidado onde será descartado o óleo de cozinha usado (Foto: Shutterstock)

Fonte: Revista ZAP Imóveis.

Entenda O Que É Preciso Saber sobre Rescisão Do Contrato De Locação

Assinar um contrato de locação normalmente impõe um compromisso mínimo de 30 meses envolvendo inquilino, proprietário e imobiliária. Se tudo corre bem, perfeito! Mas a verdade é que imprevistos sempre podem acontecer, não é mesmo? Nesse contexto, pode ser preciso encerrar o contrato antecipadamente. E é para saber lidar com esse tipo de situação que você deve acompanhar agora mesmo nosso post! Sabia que a rescisão do contrato de locação merece uma atenção especial por envolver diversos trâmites burocráticos e legais? Aprenda já o que é preciso saber!

Multa por quebra de contrato

Se locador ou locatário decide cancelar o contrato antes do vencimento, normalmente paga à outra parte um valor previamente estabelecido em contrato. No caso de o inquilino deixar o imóvel de maneira antecipada, o pagamento é feito proporcionalmente ao tempo de contrato restante, sem cobrança abusiva. Caso o contrato tenha validade indeterminada, ambos podem rompê-lo a qualquer tempo, sem aplicação de multa. Se o acordo feito entre imobiliária e proprietário prevê essa multa, a cessão do contrato de aluguel por vontade do proprietário também pode gerar uma cobrança por quebra.

Motivos para rescisão

O proprietário do imóvel só pode rescindir o contrato em 2 situações específicas: caso ele precise do imóvel para uso próprio e não tenha outro bem do tipo ou caso o inquilino cometa algum tipo de ato ilegal ou que descumpra as regras do contrato — como uma reforma não permitida. Fora isso, deve esperar a finalização do contrato para solicitar o imóvel de volta. O inquilino, por sua vez, não precisa apresentar motivos específicos para deixar o imóvel, desde que pague a multa estabelecida em contrato. Por outro lado, fica desobrigado de honrar esse pagamento se a rescisão ocorrer por mudança de emprego.

Prazos sobre o encerramento

A rescisão do contrato de locação também tem alguns prazos que devem ser observados. Uma vez que o proprietário solicita o imóvel, o inquilino não precisa sair imediatamente. O padrão é que sejam concedidos 30 dias para que o locatário se organize e encontre um novo imóvel. Quando há disputas judiciais para despejo do inquilino, normalmente se concede um prazo de 6 meses, desde que haja manifestação via advogado no tempo certo. Já se o encerramento do contrato é pedido por quem aluga o imóvel, conta-se um aviso de 30 dias para permitir que o proprietário se planeje financeiramente e encontre o mais rapidamente possível um novo morador para o imóvel.

Desocupação do imóvel

Independentemente de quem decidiu pela rescisão do contrato de locação, a desocupação do imóvel deve seguir alguns critérios. É necessário que o inquilino realize uma vistoria de saída, de modo a garantir que o imóvel está nas mesmas condições do início do contrato. Também é importante que o proprietário ou a imobiliária forneça um comprovante de recebimento das chaves, de modo que não exista mais cobrança referente à locação.

Mas atenção: por mais que a rescisão do contrato de locação normalmente tenha todas as suas condições devidamente estabelecidas no documento, o mais recomendado é que a parte interessada busque um advogado antes de dar andamento ao rompimento, ok?

Fonte: Publicidade Imobiliária.

Casa em ordem: 10 dicas para organizar a sala de estar

Acomodar no ambiente somente o que é utilizado quando se está nele é uma das sugestões mais importantes

A sala de estar é o ambiente mais público de nossa casa, um verdadeiro cartão de visitas. Nesse local, acolhemos amigos e familiares e confraternizamos. E cuidar para que tudo tenha um setor específico nesse cômodo facilita a rotina de organização. Mais ainda, garante o bem-estar de todos, sejam moradores ou visitantes.

Quem não gosta de beleza e requinte, com tudo organizado e bem-disposto? Chegar em casa depois de um dia de trabalho ou estudos e encontrar a sala lindamente aconchegante é uma delícia. Para que isso aconteça, contudo, é preciso manter nesse ambiente o que a ele pertence. Parece simples ou lógico demais? Na verdade, muitas vezes, acumulamos na sala inúmeros itens que poderiam estar acomodados em outros lugares da casa, evitando excessos desnecessários.

A Revista do ZAP separou 10 dicas com a consultora de organização, Rosângela Campos que serão valiosas para sua casa. Veja:

1. Mantenha no ambiente uma caixa de primeiros socorros eletrônicos, com carregadores, fios, pilhas e adaptadores;

2. Tenha uma lanterna em um local estratégico para evitar tumulto quando faltar luz;

3. Deixe um cofrinho para as moedas à disposição. É um excelente motivador de economia doméstica;

4. Pufes com abertura, no estilo baú, são úteis para guardar mantas, álbuns de fotos e outros itens. Aposte numa peça dessas na sua sala;

5. Utilize fotografias no ambiente para rever lembranças esquecidas e queridas. Pode ser, inclusive, em um porta-retratos digital;

6. Dedique um pequeno espaço para expressar sua religiosidade. Ele pode ajudar você e acalmar seu coração em momentos difíceis;

7. Utilize um cesto para acomodar bolsas ou pastas. Isso evita que fiquem soltas em sofás ou mesas;

8. Tenha flores! Elas embelezam e dão boas-vindas;

9. Organize uma bandeja bem bonita com velas, taças e garrafas. Fica muito chique!

10. Por fim, deixe na sala somente o que é da sala. O que isso significa? Documentos, por exemplo, podem ficar no escritório. Medicamentos, por sua vez, no guarda-roupas. E assim por diante.

 

Fonte: Revista Zap

Este É O Melhor Momento Da Última Década Para Negociar No Mercado Imobiliário

Sinalização de redução de juros, queda no preço dos imóveis e liberação de recursos do FGTS inativo capitalizando clientes são fatores que, somados à perspectiva de retomada da economia, devem impactar positivamente o setor imobiliário.

O governo federal trabalha com a projeção de injeção de R$ 30 bilhões na economia brasileira neste ano com a liberação dos saques do FGTS inativo. A medida deve movimentar 0,5 % do Produto Interno Bruno (PIB) do país. Para o governo, a iniciativa pode levar de forma rápida à redução do endividamento das famílias, contribuindo para a volta do crescimento econômico.

O mercado imobiliário aposta que uma fatia desse capital que chega ao bolso dos brasileiros possa ser investida na compra de imóveis, e vê com otimismo a medida, que somada a outros fatores, pode indicar uma caminho para a saída da crise que ainda afeta o setor.

A mais recente pesquisa sobre o segmento imobiliário do país, realizada pela FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, e publicada com exclusividade pela Revista EXAME em maio, traz dados que indicam que esse é o melhor momento da última década para quem esta capitalizado e quer negociar a compra de um imóvel.

A pesquisa analisou preços em 5.600 bairros de 203 cidades brasileiras e constatou que os preços dos imóveis subiram apenas 0,8% em 2016. Em termos reais, os preços caíram 5%. Mesmo assim, as vendas não aumentaram por conta da queda da renda das famílias, os altos juros, dificultando financiamentos, e também pela insegurança econômica, desemprego e medo de perder o posto de trabalho.

Diante do cenário avaliado pela pesquisa, os analistas e representantes do setor imobiliário ouvidos afirmam que agora é a hora certa para negociar. Para muitos, a crise já chegou ao fundo do poço. O próximo passo é a recuperação, o que elevaria os preços dos imóveis.

Otair Guimarães, diretor comercial da Leste Realty, empresa que lançou em Ribeirão Preto no final de 2016, em parceria com o Grupo Engep, o empreendimento Quinta dos Ventos, localizado na zona sul da cidade, também avalia que este é o momento ideal para investir no sonho da casa própria.

O empresário ainda analisa como positivas para ao mercado a liberação de recursos do FGTS inativo e a redução de juros, como a taxa Selic. “O setor imobiliário ainda aguarda para avaliar o impacto da liberação desses recursos do FGTS inativo no mercado e também de um corte ainda maior na Selic. Mas a expectativa é positiva. O fato de o trabalhador poder sacar o dinheiro e utilizar naquilo que preferir é bastante interessante. Além disso, a expectativa do trabalhador quitar dívidas pode resultar na queda da inadimplência, que tem impacto na melhoria das condições de financiamento. Fato positivo para o mercado de forma geral”, afirma Otair Guimarães.

Fonte: G1